Ferracini

FERRACINI, Renato. As setas longas do palhaço. Revista Sala Preta: nº 6, 2006.

Um artigo instigante sobre o afetar e ser afetado do palhaço com seu público. O autor procura tratar sobre as diferenças entre esse processo que acontece com o palhaço em cena, e o que ocorre com outros tipos de espetáculos teatrais. Para tanto, utiliza conceitos já desenvolvidos na pesquisa teatral do LUME, como zona de turbulência, setas, corpo-subjétil, matrizes, entre outros.

A zona de turbulência, gerada pelo palhaço tanto quanto por outros artistas cênicos, é uma zona de jogo, criada no momento da atuação, onde, a um só espaço-tempo, ocorre a atualização da relação poética palhaço-público. “Essa relação turbulenta, geneticamente dinâmica, gera uma bolha lírico-poética altamente complexa, que se movimenta em continuum e se torna independente do espaço-tempo cotidiano, atualizando, poderíamos dizer, um espaço-tempo poético. A isso chamamos de forma resumida, fenômeno teatral.” (FERRACINI, 2006, p. 1). O palhaço, em sua zona de turbulência, desloca o espaço-tempo do cotidiano para um outro lugar, poético, onde as relações são atualizadas, afetando seu corpo-subjétil.

O corpo-subjétil é o corpo-em-arte, integrado e vetorial em relação ao comportamento do corpo cotidiano. Um corpo em Estado cênico, ou seja, no momento da atuação com o público e com todos os elementos que compõem a cena. Ele não é subjetividade, nem objetividade, mas está ‘entre’, atravessando esta e todas as polaridades, além de lançar esse ‘entre’ para fora, para o público.

 A zona de turbulência na qual se lança o corpo-subjétil é composta por, pelo menos, uma dupla seta, em um único vetor. A primeira, seta para fora, afeta o público, resultado da abertura das ações, matrizes ou estados do ator, recriados “para fora”, para o espaço e para o outro. A segunda, seta para dentro, é o quanto o próprio ator é afetado, já que o ator, ao abrir-se para fora, cria zonas de abertura e porosidade em seu corpo-subjétil, que o possibilitam ser afetado pelas mesmas aberturas com que afetou o outro. As setas são segmentadas, de maneira que podem ser longas ou curtas, dependendo da ação cênica. No entanto, não importa o cumprimento da seta, ela sempre será igualmente intensa na zona de turbulência.

“Nos espetáculos de palhaços ou clowns, temos uma zona de turbulência criada com setas longas de afetar e ser afetado”. O autor identifica dois motivos para que isto aconteça. O primeiro deles, reside no fato de que, dentro da compreensão do LUME e que eu corroboro, o palhaço não trabalha com ações codificadas, mas parte de um estado de palhaço, que é “[…]a ativação de todos os trabalhos anteriores de palhaço, desde todo o trabalho de iniciação até trabalhos mais técnicos que buscam, dentro desse estado inicial, gerar ações, ampliação dos estados iniciais, pesquisas de modos de relacionamento com o meio e com outros palhaços”. (FERRACINI, 2006, p. 3)

Assim, o palhaço trabalha com um estado, a partir do qual age dentro de uma lógica própria de relacionamento. Disto resulta uma zona de turbulência diretamente vinculada a essa lógica e a esse estado, que determina suas ações físicas, as quais passam a existir a partir de sua relação com o espaço, com os objetos a seu redor, com os outros palhaços, com seu figurino e principalmente com o público. Por isso, a seta do “ser afetado” é longa no palhaço e determina a modificação das macro-ações de um espetáculo, podendo modificar todas as ações previamente estabelecidas.

O segundo motivo que explica as longas setas do palhaço está na característica da linha dos espetáculos de palhaço, que é porosa e pode ser rompida a qualquer momento, a partir da relação com outros palhaços, com o espaço e com o público. A improvisação é uma marca sempre presente, no entanto o autor chama atenção para algo: “[…]tomemos cuidado com essa ‘sensação’ de improvisação. Um palhaço improvisa dentro desse estado e dessa zona de turbulência criada pelo próprio corpo-subjétil do ator-palhaço. O palhaço necessita de muito tempo de treinamento em sala, de relação com o público, de entendimento corpóreo de sua lógica de relacionamento com o universo ao seu redor. Todo esse trabalho gera ações físicas que serão repertoriadas pelo ator.” (FERRACINI, 2006, p.4).

O palhaço trabalha com instabilidades, em uma total implosão da zona de turbulência, recriada e recomposta a todo momento. Na verdade, todo trabalho de ator comporta instabilidades, uma vez que a zona de turbulência é criada, habitada e caracteriza-se pelo próprio corpo subjétil, uma zona de forças em relação, em um movimento contínuo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: